Alunos se mobilizam para arrecadar donativos para venezuelanos que vivem em Pacaraima

por Rebeca Lopes Silva publicado 08/11/2016 18h12, última modificação 08/11/2016 18h12
Alunos do curso superior de Tecnologia em Aquicultura do Campus Amajari do Instituto Federal de Roraima estão se mobilizando para arrecadar alimentos, roupas, calçados, cobertores para serem entregues aos venezuelanos em situação de vulnerabilidade do Município de Pacaraima, fronteira com a Venezuela, distante 160 km do Amajari e 218 km da Capital.

Alunos do curso superior de Tecnologia em Aquicultura do Campus Amajari do Instituto Federal de Roraima estão se mobilizando para arrecadar alimentos, roupas, calçados, cobertores para serem entregues aos venezuelanos em situação de vulnerabilidade do Município de Pacaraima, fronteira com a Venezuela, distante 160 km do Amajari e 218 km da Capital.

A visita para a entrega dos donativos ocorre no dia 15, na parte da manhã, e faz parte da disciplina “Ética e Cidadania”, ministrada pelo professor do campus Evaldo Pulcinelli, que, entre os assuntos, debateu a situação dos refugiados da Síria, bem como a dos venezuelanos, que chegam a Roraima todos os dias. Dados da Superintendência da Polícia Federal em Roraima apontam que, até a primeira quinzena de outubro deste ano, foram registrados 1.725 pedidos de refúgio no estado.

De tão preocupante, a situação de imigração levou o governo estadual a implantar o Gabinete Integrado de Gestão Migratória (GIGM), que instalou a primeira unidade do Centro de Atendimento ao Migrante (CAM) no posto da Secretaria da Fazenda (Sefaz), em Pacaraima, com objetivo de cadastrar os venezuelanos que chegam ao Brasil pela fronteira do município com Santa Elena de Uairén. Outros dois postos funcionam em Boa Vista, sendo um fixo e outro móvel.

Conforme Pulcinelli, muitos dos alunos do curso superior moram em Pacaraima e, durante as aulas, suscitaram o debate do tema, relatando os problemas vivenciados por moradores daquele município com a crescente imigração de venezuelanos, como o aumento da criminalidade e da insegurança.

Além disso, os alunos comentam que os venezuelanos que chegam à cidade fronteiriça não têm roupas, alimentos ou mesmo local para dormir, tendo que morar nas ruas e depender da ajuda dos brasileiros para sobreviver.  A crise econômica da Venezuela é o principal motivo dos los hermanos deixarem suas casas rumo ao Brasil.

Essa situação levou o professor e os alunos a pensarem em como ajudar esse público. “Passamos o semestre estudando a questão da ética e da moral, o exercício da cidadania nos tempos atuais e, sabendo da situação de vulnerabilidade na qual estão vivendo os venezuelanos em Pacaraima, não poderíamos cruzar os braços”, disse Pulcinelli.

 

 

Fotos e textos: Rebeca Lopes

CCS/Campus Amajari

08/11/2016