IFRR vai oferecer curso técnico para alunos de comunidades indígenas

por Rebeca Lopes Silva publicado 26/10/2016 08h40, última modificação 26/10/2016 08h43
O Campus Amajari do Instituto Federal de Roraima (CAM-IFRR) vai ofertar uma turma do curso Técnico em Agropecuária em Regime de Alternância para atender estudantes com até 17 anos moradores de comunidades indígenas da Raposa Serra do Sol.

O Campus Amajari do Instituto Federal de Roraima (CAM-IFRR) vai ofertar uma turma do curso Técnico em Agropecuária em Regime de Alternância para atender estudantes com até 17 anos moradores de comunidades indígenas da Raposa Serra do Sol.

A primeira reunião ocorreu na tarde desta segunda-feira, dia 24, na Comunidade do Contão, Município de Pacaraima, com o diretor-geral do CAM, Sterfson Barros, o 1.º e o 2.º tuxauas, Romisson Ramos Fidélis e Vitoriano Gustavo, respectivamente, o diretor da Escola Estadual José Marcolino, Claurinock Geraldo Júlio, e técnicos do campus.

O encontro foi realizado a pedido dos líderes indígenas, que buscam firmar parceria com o instituto para ofertar cursos aos alunos e ajudar em projetos que desenvolvam a comunidade de Contão, utilizando a estrutura e os recursos disponíveis na própria localidade, como máquinas e espaços.

Alguns dos espaços foram apresentados à equipe técnica. Um novo encontro está marcado para o dia 4 de novembro, às 10 horas, na escola estadual, para que os técnicos apresentem o funcionamento do curso e tirem dúvidas de alunos e familiares.

Barros falou sobre o campus e se colocou à disposição dos líderes indígenas para ofertar a turma de alternância, que tem como metodologia os alunos passarem 15 dias na escola e 15 dias na comunidade desenvolvendo as atividades escolares junto com os moradores.

Para a oferta do curso, o IFRR entrará com o transporte, que vai pegar e deixar os alunos, a cada 15 dias, em um local definido, no caso, o Contão. Além disso, os estudantes, na etapa de estudo no campus, terão alojamento e as três refeições.

Conforme Barros, a unidade vai garantir a oferta do curso, mesmo com as dificuldades orçamentárias. “Estamos concluindo uma turma de alternância de Alto Alegre, e será uma satisfação poder ofertar a nova turma para a comunidade. Pedimos apenas o empenho de todos para evitar a evasão escolar”, explicou.

Os alunos serão indicados pelos líderes indígenas. O 1.º tuxaua do Contão, Romisson Ramos, disse que a pretensão é disponibilizar vagas para as comunidades da região, estimadas em 16, mas o assunto ainda será definido em reunião.  As comunidades são: Contão, Canta-Galo, Pedra do Sol, Taxi I, Taxi II, Surumu, Barro, Maravilha, São Bento, Placa, Olho D’água, Kaipîta, São Mateus, Triunfo, São Luiz e Achado.

Estiveram presentes no encontro a diretora de Ensino do CAM, Pierlângela Cunha, a responsável pelo curso Técnico em Agropecuária em Regime de Alternância, Camila Morais, o presidente da Comissão de Processo Seletivo e Vestibular, José Gabriel, e o professor do CAM, Patrício Ferreira Batista.

 

 

Texto e fotos: Rebeca Lopes

CCS/Campus Amajari

25/10/16