Campus Amajari certifica alunos classificados para 2ª etapa da OBMEP

por Rebeca publicado 27/07/2016 11h25, última modificação 27/07/2016 14h11
O Campus Amajari do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Roraima (IFRR-CAM) vai certificar, nesta quarta-feira, dia 27, na programação do Sarau Cultural, os 12 alunos classificados para a segunda fase da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP), a maior do mundo nessa área. A entrega começa às 1 7horas, no espaço de convivência

O Campus Amajari do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Roraima (IFRR-CAM) vai certificar, nesta quarta-feira, dia 27, na programação do Sarau Cultural, os 12 alunos classificados para a segunda fase da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP), a maior do mundo nessa área. A entrega começa às 17 horas, no espaço de convivência.

Também serão certificados os participantes do ano de 2015; a melhor das turmas do CAM na competição deste ano, incluindo as de Educação de Jovens e Adultos (EJA); e os melhores de cada uma das turmas na disciplina de Matemática no primeiro semestre deste ano. A intenção é incentivar alunos ao estudo da disciplina.

De acordo com o professor Reginaldo Beltrami, na edição de 2016 181 alunos do campus participaram da primeira fase, que foi a aplicação da prova objetiva com 20 questões. A correção foi feita pelos professores da própria escola, com base nas instruções e nos gabaritos elaborados pela OBMEP. Entretanto, os 12 foram selecionados por ter alcançado as melhores notas na escola inteira, segundo critérios adotados pelo CAM. A segunda fase ocorre dia 13 de setembro.

Beltrami comenta que ele e o professor Robson Carlos da Silva desenvolveram o projeto preparatório para a Olimpíada, focado na resolução de questões de provas anteriores, justamente para que os alunos fossem se familiarizando com o conteúdo cobrado. O projeto acontecia todas as quartas-feiras, nos dois últimos tempos, que são os reservados à orientação das turmas.

Como a maioria das questões cobradas era de lógica, o professor afirma que, com uma simples leitura, interpretação e algumas noções de conteúdos de Matemática o aluno conseguia resolver. Embora muitos encarem a matéria como bicho-papão, ele garante se tratar apenas de uma boa base de conteúdo ou de ter afinidade com a Matemática. “A dificuldade está em trabalhar com as ferramentas da Matemática. Mas depois que você as descobre e as aplica, passa a ser uma brincadeira divertida de fazer”, afirmou.

A participação dos alunos do campus na OBMEP, segundo Beltrami, serve tanto para ajudar no desempenho da sala de aula,  em  situações que exigem pensamento rápido, talvez não tão preciso,porém com mais lógica, por exemplo.

O conselho dele foi que os alunos passassem a olhar as questões da OBMEP como uma forma prazerosa de solucionar problemas do dia a dia, problemas esses que podem ser modelados por meio de ferramentas matemáticas. “Espero que consigamos trazer medalhas nacionais na 2ª fase da OBMEP, que será realizada dia 13 de setembro deste ano”, disse.

  

Rebeca Lopes
IFRR/CCS/CAM
26/7/16

CGP