Câmpus Amajari forma primeiro técnico em agropecuária surdo

por Laura publicado 01/07/2015 14h35, última modificação 03/07/2015 10h09
“Estou muito feliz com a conquista e pretendo dar continuação aos estudos, por meio de um curso superior”. Foi o que afirmou o aluno Gilberto Beato na tarde desta terça-feira (30), quando defendeu seu relatório de estágio e tornou-se o primeiro técnico em agropecuária surdo formado pelo Instituto Federal de Roraima/ Câmpus Amajari (IFRR-CAM).

“Estou muito feliz com a conquista e pretendo dar continuação aos estudos, por meio de um curso superior”. Foi o que afirmou o aluno Gilberto Beato na tarde desta terça-feira (30), quando defendeu seu relatório de estágio e tornou-se o primeiro técnico em agropecuária surdo formado pelo Instituto Federal de Roraima/ Câmpus Amajari (IFRR-CAM).

Durante a apresentação, auxiliado pela intérprete do CAM, Elaine Fernandes, o aluno falou a respeito das atividades desenvolvidas ao longo do estágio, o qual foi voltado para as áreas de fruticultura, irrigação, mecanização, olericultura e agroecologia.

A dedicação ao curso rendeu ao novo técnico em agropecuária do estado aprovação com nota 9,6 e elogios por parte da banca examinadora, composta pelos professores Dr. Rafael Fiusa e Me. Marina Welter, e pela pedagoga Thays Cristine.

Para Fiusa, orientador de Gilberto, “a formação do aluno pelo Câmpus Amajari consolida o processo de inclusão, tornando-se referência para os futuros formandos do IFRR. Portanto, estamos muito orgulhosos em fazer parte dessa conquista”.

Aos que acompanharam de perto, a conclusão do curso representou um desafio superado. “Tínhamos que realizar as atividades de classe, as extraclasse e também o estágio. Dessa forma, o esforço foi intenso para que o Gilberto pudesse acompanhar tudo com o melhor aproveitamento possível. Por isso, o sentimento é de superação e orgulho”, destacou a intérprete Elaine Fernandes.

Defesas - Ao longo do mês de junho, outros dois alunos do Câmpus Amajari também defenderam os relatórios de estágio. São eles: André Santiago e Geovana Santiago. No mês de setembro, as defesas continuam e mais 12 estudantes da instituição devem se formar.