Candidatos falam das principais ações para o Campus Amajari

por Rebeca Lopes Silva publicado 30/05/2016 15h53, última modificação 30/05/2016 15h53
Os dois candidatos ao cargo de diretor-geral do Campus Amajari do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Roraima (IFRR), Roberson Carvalho e Sterfson Barros, falaram das três principais propostas a serem executadas, caso sejam escolhidos pela comunidade acadêmica no dia 8 de junho.

 

Os dois candidatos ao cargo de diretor-geral do Campus Amajari do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Roraima (IFRR), Roberson Carvalho e Sterfson Barros, falaram das três principais propostas a serem executadas, caso sejam escolhidos pela comunidade acadêmica no dia 8 de junho. 

Dentro das propostas que visam ao coletivo, o professor Roberson Carvalho destacou a implantação da gestão participativa, visando trabalhar com todos os setores, de forma que possam ser discutidas situações-chave dentro da gestão, classificadas por ele como as “que estão sendo problemas e dores de cabeça para gestão atual”.

Já o professor Sterfson Barros, que busca a reeleição, disse que uma das primeiras metas para os servidores será trabalhar mais o clima organizacional. Segundo ele, é importante ter, dentro de uma unidade administrativa como o Campus Amajari, um clima organizacional em que haja respeito da gestão com os servidores, tanto docentes quanto técnicos em educação.

No que diz respeito aos alunos, os dois candidatos propuseram melhorias para o restaurante. Sterfson disse que a empresa que fornece alimentação foi notificada várias vezes sobre a qualidade do produto oferecido e que, até julho deste ano, o IFRR deve ter um novo contrato. “Saindo essa empresa, a gente espera conseguir cobrar mais da nova empresa e, claro, arranjar algumas alternativas de melhoria do atendimento, como a criação de uma cooperativa para gerir o restaurante”, comentou.

Roberson, além do restaurante, citou a questão da internet e do lazer. “Viso trabalhar não apenas a melhoria do restaurante e da internet, mas também o incentivo ao lazer e à qualidade de vida dos alunos que ficam a maior parte de suas vidas aqui”, explicou, acrescentando como terceira meta o incentivo à capacitação e a criação de mecanismos de melhoria da qualidade curricular dos servidores. “O servidor satisfeito é um servidor feliz, é um servidor produtivo”, argumentou.

Sterfson destacou que está entre suas metas melhorar os laboratórios e a qualidade destes, para que os alunos tenham melhor ensino-aprendizagem. “Em se tratando de uma escola agrícola, nós precisamos ter ambientes práticos disponíveis para os alunos melhorarem a qualidade do ensino”, finalizou.

 

 

Conheça um pouco dos dois candidatos

 

Roberson de Oliveira Carvalho – Nascido em Boa Vista (RR), graduou-se em Agronomia, especializou-se em Agroambiente e concluiu o mestrado em Agronomia pela Universidade Federal de Roraima (UFRR), desenvolvendo linha de pesquisa em Produção Vegetal. Ingressou no serviço público federal em 2010, no cargo de professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (EBTT), lecionando vários componentes curriculares da área técnica dos cursos de Agricultura e Agropecuária, em todas as modalidades ofertadas regularmente pelo IFRR/Campus Amajari. Participou ativamente das comissões de criação e implantação dos cursos de Agricultura e Agropecuária nas modalidades ofertadas regularmente pelo IFRR/Campus Amajari, bem como coordenou a antiga Coordenação Técnica (CTEC), hoje Departamento Técnico (DTEC), por mais de 2,5 anos (21/2/2011 a 7/3/2012 e 01/3/2013 a 13/11/2013) e os cursos de Agricultura e Agropecuária, concomitantes, além do curso Proeja em regime de alternância.

 

Sterfson Barros – Natural de Roraima, iniciou a carreira pública há mais de 37 anos como professor da Educação Básica, Técnica e Tecnológica. É licenciado em Educação Física pela Universidade Federal do Amazonas (Ufam), com especializações em Gestão Pública pela Enap/IFPR e em Exercício e Qualidade de Vida pela Unopar. Tem mestrado em Ciências da Educação Agrícola pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Foi um dos primeiros coordenadores da área de Educação Física do IFRR, tendo assumido coordenações do curso de Recreação e Lazer e de Licenciatura em Educação Física. Foi diretor de sede e diretor-geral substituto do Cefet-RR, atual Campus Boa Vista Centro, além de reitor substituto. Também foi presidente-fundador do Sinasefe, secção Roraima; presidente da Federação Roraimense de Voleibol; membro do Fórum de Educação do Campo do Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif); membro do Conselho Superior (Consup-IFRR) e indicado como diretor-geral para a implantação do Campus Amajari.

 

 

Observação: currículos extraídos dos folders de campanha dos dois candidatos.

 

 

 

Rebeca Lopes

IFRR/CCS/CAM

30/5/16