Estudantes do IFRR/Câmpus Amajari estruturam laboratório de pesca e aquicultura

por Anderson Caldas publicado 03/02/2015 11h55, última modificação 09/02/2015 13h43
Estudantes do IFRR/Câmpus Amajari estruturam laboratório de pesca e aquicultura

O período de férias escolares não representou descanso para alguns alunos do Câmpus Amajari do Instituto Federal de Roraima. Isso porque mais de dez estudantes trabalham, desde novembro do ano passado, na montagem e estruturação do laboratório de pesca e aquicultura da unidade. A ação é desenvolvida com a orientação dos professores e engenheiros de pesca Lucas Comassetto e Karine Cavalcanti Oliveira.

No laboratório, 12 caixas d’água abrigam os primeiros alevinos de peixe tambaqui, além de 11 aquários possuírem espécies de peixes ornamentais. Os alunos construíram também o primeiro viveiro de piscicultura, para onde o tambaqui deverá ser migrado em determinada fase da produção. 

Para Igor Mayalison Bispo, aluno do Curso Técnico em Agropecuária, a experiência de criação do laboratório trouxe inúmeros conhecimentos. “Sempre tive curiosidade de saber mais sobre a aquicultura, até por estarmos em uma área rural que tem uma grande criação de peixes. Por isso, participei da montagem do laboratório, pois temos a oportunidade de presenciar o início da criação, o desenvolvimento e a posterior retirada dos peixes. Com certeza, essa parte prática nos deixa mais preparados para o mercado de trabalho”, enfatiza o estudante. 

O professor Lucas Comassetto explica que os reservatórios com alevinos de tambaqui serão utilizados não apenas para a criação, mas também para a pesquisa de nutrição da espécie. Além disso, esclarece que o laboratório conta com um importante sistema de recirculação.

“Toda a água utilizada é tratada no filtro e retorna ao sistema, sendo possível reaproveitar a mesma água por dois anos, apenas repondo a quantidade perdida por evaporação. Isso faz com que o sistema seja mais viável ecologicamente e reduza o impacto ambiental”, conclui Comassetto.

O laboratório do Câmpus Amajari contou com apoio da Unidade Acadêmica Serra Talhada (UAST) da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), que por meio do Coordenador do Laboratório de Operações Aquáticas e Aquicultura, professor José Carlos Pacheco dos Santos, doou a bomba submersa e os filtros canister e ultravioleta. Esses materiais são fundamentais para o funcionamento do sistema de recirculação. 

A estruturação do laboratório conta com o apoio do Centro Tecnológico de Aquicultura (CTA), cujo proprietário é o empresário Aniceto Wanderley. O IFRR/Câmpus Amajari possui convênio com o centro, por meio do qual foram disponibilizados os primeiros alevinos de tambaqui ao laboratório e ofertado estágio, no CTA, aos alunos do câmpus.