IFRR vai discutir regulamentação de ações em áreas indígenas

por Rebeca Lopes Silva publicado 04/04/2016 14h55, última modificação 06/04/2016 14h35
O reitor do Instituto Federal de Educação Tecnológica de Roraima, Ademar de Araújo Filho, participará, no dia 11 de abril, em Brasília, de reunião com a Fundação Nacional do Índio (Funai), com setores do Ministério da Educação e com representantes de oito universidades e de 12 Institutos Federais para discutir a regulamentação das ações de educação dentro das terras indígenas.
IFRR vai discutir regulamentação de ações em áreas indígenas

Reitor Ademar Araújo participa da reunião em Brasília

O reitor do Instituto Federal de Educação Tecnológica de Roraima, Ademar de Araújo Filho, participará, no dia 11 de abril, em Brasília, de reunião com a Fundação Nacional do Índio (Funai), com setores do Ministério da Educação e com representantes de oito universidades e de 12 Institutos Federais para discutir a regulamentação das ações de educação dentro das terras indígenas.

Dois pontos de Roraima serão apresentados na reunião. O primeiro é o pedido de regulamentação do Centro Nutri como unidade de referência indígena, que hoje funciona na Comunidade Indígena Pipi do Manalai, região Ingarikó Wîi Tîpî, Município do Uiramutã, na Terra Indígena Raposa Serra do Sol. A ação faz parte do Programa de Aprendizagem Comunitária e Novos Saberes. O segundo é a criação de um campus indígena.

A pauta da reunião foi anunciada pelo reitor a 11 tuxauas, líderes indígenas dos Municípios de Pacaraima, Normandia e Uiramutã, que estiveram reunidos na Comunidade Indígena do Contão, em Pacaraima, na última sexta-feira, 1.º de abril. Conforme Araújo, a ideia é discutir a criação de uma rede especializada de educação superior de formação indígena, como já existe para os afrodescendentes.

A intenção é regulamentar o que já existe em ação e que já funciona com a anuência das lideranças indígenas. O reitor citou que o IFRR, em especial o Campus Amajari, avançou muito no ano de 2015, com atividades nas comunidades indígenas. “Isso requer que a gente tenha o zelo de regulamentar essas ações. Nós estamos indo em busca, por meio da Funai, de uma legislação específica para garantir todas as nossas ações. Nós precisamos de alguma portaria específica para estar atuando”, disse.

Quanto à implantação do primeiro campus indígena do País, a ser instalado em Roraima, o reitor informou que o instituto chegou a elaborar o projeto, que foi encaminhado para análise do MEC. “Nós estamos agora dependendo de algo maior, que não está ao nosso alcance, que é a autorização do MEC”, frisou.

 

 

Rebeca Lopes
IFRR/CCS/CAM
4/4/16