Iniciadas obras de asfaltamento da estrada do IFRR no Amajari

por Rebeca Lopes Silva publicado 03/08/2016 14h35, última modificação 09/08/2016 08h36
Os trabalhos de terraplanagem para o asfaltamento da estrada que liga a sede do Município do Amajari ao Campus Amajari do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Roraima (CAM-IFRR) se iniciaram nesta semana. As máquinas da empresa que ganhou a concorrência pública já estão trabalhando, e a previsão da Secretaria Estadual de Infraestrutura é de concluir os serviços em 180 dias

Os trabalhos de terraplanagem para o asfaltamento da estrada que liga a sede do Município do Amajari ao Campus Amajari do Instituto Federal  de Roraima (CAM-IFRR) se iniciaram nesta semana.  As máquinas da empresa que ganhou a concorrência pública já estão trabalhando, e a previsão da Secretaria Estadual de Infraestrutura é  concluir os serviços em 180 dias.

A obra de pavimentação de 2,10 km da RR-342, Rodovia Antonino de Menezes, conhecida por ligar a Vila Brasil à balsa Aparecida, será executada pela empresa C.B. Pedra Serviços e Construções Ltda., e está orçada em R$ 990.800,20. O resultado da concorrência pública está publicado no Diário Oficial do Estado do dia 4 de maio de 2016.

De acordo com a Seinf, o serviço será feito com asfalto TSD (Tratamento Superficial Duplo), que tem grande durabilidade e é próprio para rodovias com baixo fluxo. Os valores também incluem o serviço de drenagem lateral e construção de bueiros onde for necessário.

As péssimas condições da rodovia eram a principal preocupação de quem utiliza a estrada todos os dias para trabalhar, estudar ou escoar a produção. Há menos de dez dias, um caminhão lotado de peixe ficou atolado mais de doze horas em um trecho, que, pelos trabalhos em andamento, será ampliado e receberá bueiro.

A situação da estrada também levou, em agosto de 2015, servidores e alunos do IFRR a fechar a rodovia em protesto contra as péssimas condições de trafegabilidade. Depois disso, o secretário da Seinf, Flamarion Portela, e a governadora Suely Campos, que é da região do Amajari, prometeram o asfaltamento do trecho.

À frente do campus desde o início, em 2009, o diretor-geral, George Sterfson Barros, disse que um dos critérios para implantar a unidade no Amajari era a contrapartida do município com a oferta de energia, aterro e asfalto, de acordo com a Chamada Pública MEC/Setec n.º 001/2007. “O governo estadual, desde o início, deu todo o apoio à prefeitura, com a compra e o repasse do terreno, e agora está asfaltando a estrada”, comentou.

Com mais de dois anos trabalhando no CAM, o contador Marcos da Silva e Silva disse que, desde quando chegou, já havia promessas de asfaltamento. “Vendo o resultado hoje, estamos felizes porque vamos deixar de gastar com manutenção do veículo. Há um servidor que chegou este ano aqui (campus) e, no primeiro mês, foi obrigado a gastar quase R$ 700 com a suspensão do carro em decorrência dos buracos”, explicou

.

Outra servidora que comemora o início dos serviços é Rosana Oliveira. “Nem acredito que estamos vivendo este momento. Nem acreditava mais que fosse sair do papel essa promessa, porque esperamos por tanto tempo. Mas ainda bem que saiu, e agora é esperar a conclusão para comemorarmos”, disse.

 

Rebeca Lopes
IFRR/CCS/CAM
3/8/16