Primeira aluna estrangeira conclui curso técnico pelo IFRR/Amajari

por Rebeca Lopes Silva publicado 15/03/2016 16h12, última modificação 15/03/2016 16h12
A aluna Cinthia Manoela Mesquita de Oliveira, 18, apresentou, na manhã desta terça-feira (15), o Trabalho de Conclusão de Curso sobre a Implantação de Hortas de Plantas Medicinais. Cinthia é primeira estudante estrangeira a concluir um curso técnico pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Roraima/Campus Amajari.
Primeira aluna estrangeira conclui curso técnico pelo IFRR/Amajari

Cinthia Manoela apresentou TCC

A aluna Cinthia Manoela Mesquita de Oliveira, 18, apresentou, na manhã desta terça-feira (15), o Trabalho de Conclusão de Curso sobre a Implantação de Hortas de Plantas Medicinais. Cinthia é primeira estudante estrangeira a concluir um curso técnico pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Roraima/Campus Amajari.

Natural da cidade de Bolívar, na Venezuela, a aluna morava em Santa Elena de Uairém, fronteira do Brasil com a Venezuela, antes de ingressar no Curso Técnico em Agricultura, integrado ao ensino médio e em regime de alternância. Por três anos, morou no alojamento do campus, de onde diz ter tirado ensinamentos para a vida. “O meu principal aprendizado foi aceitar as diferenças e aprender a socializar-me”, disse.

Quanto ao trabalho, apresentado à banca formada pelos professores Marina Keiko (orientadora), Camila Morais e Roberson Carvalho e que recebeu 9,6 de nota, a aluna disse que o objetivo foi introduzir na comunidade a cultura de usar plantas medicinais e, ao final, produzir uma cartilha com os nomes das plantas, explicando, de maneira fácil, para que servem.

Cinthia explica que o primeiro passo foi procurar, na sede de Amajari, conhecida como Vila Brasil, quem tivesse plantas medicinais e estivesse disposto a doar. Juntando com as mudas trazidas da Capital, Boa Vista, reuniu 25 diferentes plantas e colocou-as na casa de vegetação (estufa). Todas estão numa chácara próxima da vila, disponíveis para doação.

Segundo a aluna, a maior dificuldade foi encontrar pessoas que mantêm canteiros com as espécies coletadas. “Poucas pessoas, acho que umas três, tinham horta. Embora a utilização de fármacos não seja boa para o organismo e as plantas medicinais sejam melhor para amenizar mal-estares e curar doenças, poucas pessoas fazem o uso delas. E, quando fazem, não existe continuação do tratamento”, disse.

Com a apresentação do TCC, o próximo passo será receber o diploma durante a solenidade de formatura, que deve ocorrer no dia 1.º de abril. Como planos, a aluna pretende fazer o concurso de Pacaraima e, se passar, morar próximo à família. Outra opção será morar em Boa Vista e fazer faculdade de Direito.

 

Rebeca Lopes

CCS/IFRR/CAM

15/03/16