Prazo para recorrer contra o gabarito do vestibular termina nesta terça-feira,10

por Rebeca publicado 09/01/2017 15h54, última modificação 09/01/2017 15h54
A Comissão Permanente de Processo Seletivo e Vestibular, do Campus Amajari do Instituto Federal de Educação de Roraima, publicou no início da noite deste domingo, 08, o gabarito preliminar do vestibular para o curso superior de Tecnologia em Aquicultura. O documento pode ser acessado em http://certame.ifrr.edu.br.

A Comissão Permanente de Processo Seletivo e Vestibular, do Campus Amajari do Instituto Federal de Educação de Roraima, publicou no início da noite deste domingo, 08, o gabarito preliminar do vestibular para o curso superior de Tecnologia em Aquicultura. O documento pode ser acessado em http://certame.ifrr.edu.br.

Para a interposição de recursos contra o gabarito, os candidatos só poderão fazê-lo presencialmente, hoje, 09 e 10 de janeiro, de 8h às 12h e das 14h às 18h,  junto à Comissão Permanente do Seletivo, que fica na sede do Campus, localizada na Rodovia Antonino Menezes da Silva ( RR 342), vicinal que liga a Balsa de Aparecida à Vila Brasil – Km 03.

O modelo do documento está contido no Edital 002/0216, também disponível no endereço eletrônico acima. Cada questão ou item deverá ser apresentado em folha separada, devidamente identificada com dados do candidato, com argumentação e fundamentação lógica, inclusive indicando fontes.

São oferecidas 35 vagas, sendo 17 pelo SISU (Sistema de Seleção Unificada). O curso com duração de três anos será matutino. Para o certame, foram 122 inscrições homologadas, sendo que 67 candidatos compareceram à prova. No dia 11/01, a Comissão publica o resultado dos recursos ao gabarito preliminar e o gabarito oficial.

O diretor-geral do Campus Amajari, Sterfson Barros, acompanhou a aplicação das provas, e disse que a criação do curso superior de Tecnólogo em Aquicultura atende ao planejamento e consta no principal documento que norteia as ações da unidade de ensino, o Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI).

Segundo Barros, desde a criação dos Institutos Federais existe a previsão de que 20% das vagas sejam destinadas a cursos superiores.  O diretor destacou que a oferta de cursos pelos IFs, sejam técnicos ou superiores, em localidades distantes da capital, tem alcance social grande, visto que não são cobradas mensalidade, a educação é de qualidade, parte dos alunos recebem auxílios e o mais importante, evita que os alunos se desloquem para a capital para estudar.

 

 

Rebeca Lopes

Fotos: Ramon Queiroz/CAM

IFRR/CCS/CAM

09/01/17