IF Comunidade Itinerante leva palestra sobre preconceito a alunos do ensino fundamental

por Virginia publicado 23/08/2016 17h15, última modificação 23/08/2016 18h00
Como parte da programação do IF Comunidade Itinerante, as alunas Cindy Harrys Leal e Carla Cristina Santos Coutinho, do curso Técnico em Secretariado integrado ao ensino médio e bolsistas do Programa Institucional de Bolsas de Extensão (Pbaex), estiveram, no último sábado, dia 20, na Escola Estadual Presidente Costa e Silva (EEPCS), localizada no Bairro São Francisco, onde ministraram a palestra "Desafiando o preconceito – convivendo com as diferenças" para os alunos do 6.° ao 9.° ano do ensino fundamental.

Como parte da programação do IF Comunidade Itinerante, as alunas Cindy Harrys Leal e Carla Cristina Santos Coutinho, do curso Técnico em Secretariado integrado ao ensino médio e bolsistas do Programa Institucional de Bolsas de Extensão (Pbaex),  estiveram, no último sábado, dia 20, na Escola Estadual Presidente Costa e Silva (EEPCS), localizada no bairro São Francisco, onde ministraram a palestra "Desafiando o preconceito – convivendo com as diferenças" para os alunos do 6.° ao 9.° ano do ensino fundamental.

O Programa Pbaex constitui-se num mecanismo institucional de fomento à política de extensão e de incentivo ao envolvimento e à participação de alunos dos cursos técnicos e superiores do IFRR como atores executores de projetos e atividades de extensão que visam ao envolvimento da comunidade.

Já o IF Comunidade Itinerante é a principal ação de extensão do IFRR que tem como objetivo levar às comunidades da Capital e do interior os diversos serviços relacionados aos cursos e aos programas institucionais.

"Nosso objetivo é fazer com que nosso público-alvo conheça e valorize a história e a cultura afro-brasileira, bem como desenvolva o respeito às diferenças, repudiando qualquer forma de preconceito e ampliando seu conhecimento cultural", relatou Cindy.

Segundo a gestora da EEPCS, professora Jeane Lima, as palestras são de grande importância para a escola, uma vez que é no ambiente escolar que os alunos também adquirem valores que facilitam o seu crescimento e a convivência em sociedade, respeitando sempre a diferença. “O preconceito existe e evidencia-se nas ações cotidianas, tanto na família como na escola, nos meios de comunicação e até mesmo no esporte. Dizer que ele não existe não é a melhor forma de combatê-lo. A melhor forma de combater a intolerância é o diálogo e a formação. É nesse sentido que fomos buscar parcerias para o oferecimento de atividades que promovam o aprendizado e a discussão sobre temas de interesse de nosso alunado”, enfatizou.

A aluna do 9.° ano B Alciane Pereira Antunes disse que a palestra serviu como um alerta para aqueles que têm atitudes preconceituosas. “Achei muito boa a palestra, pois temos colegas que praticam o preconceito racial e também o bullying com os outros colegas. Foi importante também, pois tem colegas que nem sabem que estão fazendo algo errado, e agora estão sabendo que preconceito é um crime grave”, afirmou .

Assim como Alciane, a estudante Daniela Ewilym Pereira da Silva, do 6.° ano B, aprovou a ideia de a equipe gestora oferecer a palestra educativa. “Falar sobre esse tema é importante para que possamos aprender a não praticar o racismo e também outras formas de preconceito como o bulliyng”, relatou.

A equipe gestora informou que outras palestras serão organizadas com a finalidade de promover o debate acerca de temas de interesse da comunidade escolar.

 

VIRGÍNIA ALBUQUERQUE
CCS/Campus Boa Vista Centro
23/8/2016